Cruzeiro do Sul - Acre, sábado, 17 de novembro de 2018

Publicado em 18 de outubro de 2011

Caminhoneiro alerta que falta de controle pode provocar destruição precoce da BR-364

Motoristas pioneiro no trecho entre Cruzeiro do Sul e Rio Branco, denuncia que carretas de 70 toneladas podem comprometer obra milionária.

O caminhoneiro, Paulo Guedes, diz que na balança de controle de peso em Sena Madureira os caminhoneiros são humilhados. “As vezes temos que voltar pra tirar 200 quilos ou deixar um passageiro que está de carona, enquanto isso, para um grupo de cinco empresários de Cruzeiro do Sul não existe limite de peso, passam com o tanto que querem, enquanto nós estamos comendo o pão que o diabo amassou”, diz revoltado.

Paulo Guedes afirma que costuma presenciar a passagem de carretas com 70 toneladas, enquanto o limite para os caminhões é de apenas dez. O caminhoneiro que lidera um grupo de outros 150 motoristas, diz que é a favor do controle, mas tem que existir para todos.

“Os próprios policiais militares afirmam que nos abordam porque é o jeito, mas que a lei deveria ser pra todos. Eu sou um cidadão que pago meus impostos. Dentro do governo tem gente de posição, mas tem outros bandidos. Já na balança de Cruzeiro do Sul tem um homem que faz a gestão cumprindo a lei”, dispara.

O caminhoneiro compara a camada asfáltica com a espessura de um papelinho e diz que se continuar o movimento de carretas a estrada vai se deteriorar em um curto espaço de tempo. “Aí vão proibir também os caminhoneiros de rodar no trecho. Só tem uma coisa, nós temos mais de 150 caminhões, se nós não passar não passa ninguém. Não adianta trazer Força Nacional pra reprimir porque não somos bandidos. Sei que o governador não sabe dessas coisas, ele tem um coração bom e espero que ele reúna seus assessores e não continue trocando centenas de caminhoneiros por meia dúzia de empresário”, finaliza Paulo Guedes.

Da redação do Tribuna do Juruá

Compartilhe

    Comentários:

    1. metafísica disse:

      Concordo com o caminhoneiro. A justiça é para todos e não para poucos.Só podemos evoluir se damos abertura para todos crescerem.Quem não corrige seus próprios erros, não pode ser exemplo.

    2. vania disse:

      A qui em nosso estado pobre nunca foi gente mesmo! não era dessa vez que seria lembrado ou respeitado.Os governantes precisam tomar providências com as injustiças e impunidade cometidas pelos representantes.

    3. joao alves da costa disse:

      e o governo do pt.nao reclame.continue votando neles.

    4. gadita disse:

      vc esta totalmente certo que a lei venha a ser para todos e não para os menos favorecidos,espero que seu manifesto não passe despesebido como muitos outros.

    5. sueli disse:

      Isso é o governo do PT vote nos homens.

    6. Cidadão disse:

      O que me revolta é simplesmentre isso a coisa vai de mal a pior e sempre as pessoas dizem o governador não sabe disso, brincadeira é por isso que os acrianos vivem na porcaria. Cidadãos o governador sabe sim e se falar que não sabe é por que é muito do seu incompetente, os secretários e demais cargos de confiança, são pessoas de confiança do governador!

    7. czs disse:

      Á IA ESQUECENDO, A JUSTIÇA DO HOMEN NAO E PRA TODOS E PRA QUEM TEM DINHEIRO E INFLUENCIA, E SO DAR UMA OLHADA AO SEU REDOR , NUNCA FOI E NUNCA SERA INFELIZMENTE

    8. marcosrbr2 disse:

      É uma rixa com o governo do PT, até parece que os outros partidos só tem santinho.
      por isso que não dou moral nem para PT e nem para nenhum outro.
      Mas também não fico jogando a culpa de qualquer coisa pra cima deles, se colocar na balança o certo e o errado do governo do PT mudou muita coisa em relação aos governos anteriores.
      A César o que é de César.
      É que faz tempo que não entra outro partido e esqueceram o que o Flaviano fazia no governo, pagando camarote de Carnaval no Rio para os chegados.

    Deixe seu comentário

    Mensagem

    

    Site desenvolvido por Agência Live Design

    Fones: (68) 3322-7302 / 9998-9802
    Responsável: Cleonildo R. do Nascimento

    REDES SOCIAIS