Cruzeiro do Sul - Acre, sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Publicado em 29 de setembro de 2014

Política é assunto popular com Nelson Liano

O candidato à reeleição ao Governo Tião Viana (PT) proferiu uma frase extremamente infeliz no programa de TV do Senado, segunda, 29. Ele afirmou que não se pode deixar a vaga acreana ser conseguida com uma “montanha de dinheiro”. Evidentemente que o candidato do PT quis se referir a disputa entre Gladson Cameli (PP) e Perpétua Almeida (PC do B). Mas é público e notório que as empresas da família Cameli em várias campanhas fizeram doações generosas para a FPA. Inclusive algumas que foram feitas ao PT nacional. Quer dizer que esse valores doados em outras campanhas eram para o bem? Agora, que a família do falecido ex-governador Orleir Cameli, resolveu apoiar o Gladson os recursos da sua campanha viraram “montanhas de dinheiro”? A expressão usada pode denotar ainda ilegalidade. Será que Tião Viana tem conhecimento de alguma na campanha de Gladson? Se tem deveria imediatamente denunciar ao TRE. Outra questão que o candidato à reeleição deveria ir a público para esclarecer é se na atual campanha a FPA recebeu ou não doações das empresas da família Cameli?

Ataques sem sentido

Querer reduzir a campanha de Gladson Cameli ao “poder do dinheiro” é uma estratégia errada e hipócrita. A FPA deveria explicitar todas as doações que recebeu. Mostrar o montante de doações de empresas e os recursos próprios dos partidos que compõe a FPA que estão sendo usados na campanha.

A origem do bem e do mal

Se existem dúvidas da origem do dinheiro da família Cameli que o atual grupo político que está no Governo há 16 anos mande proceder investigações. Se o dinheiro foi gerado pelos serviços prestados, inclusive aos governos da FPA, das empresas da família então qual o problema?

O legado de Orleir

O atual grupo político que comanda o Acre não aceita a volta dos Camelis à política. Gladson resolveu utilizar a herança política deixada pelo seu tio Orleir. Se existe algum problema ou ilegalidade que se mostre publicamente.

Ninguém é besta

Quando vejo candidatos majoritários dizendo que a campanha do PT e do PC do B é pé no chão, ou seja, sem recursos, fico a imaginar se os eleitores acreditam ou não. Infelizmente a campanha enveredou por “caminhos perigosos”.

Não fizeram poupança?

Se depois de 16 anos comandando o Acre a FPA não consegue recursos para tocar uma campanha ao Senado então tem alguma coisa errada. Na minha avaliação essa conotação de campanha “franciscana” de Perpétua não convence os eleitores. A verdade é que não tem nenhum pobre coitado nessa história.

Baixaria contra famílias

O ataque a honra entre adversários se tornou mais importante do que as propostas. Sou contra os ataques ao seu Wildy Viana, pai de Tião Viana. Assim também como não são recomendáveis as agressões contra a família Cameli. Já dizia Gandhi: “Olho por olho e todos vão acabar cegos”.

Mais “inverdades”

Outro absurdo é tentar provar sem argumentações convincentes que Gladson será mais um senador do Amazonas. Com esse tipo de afirmação disparatada os membros da FPA querem dizer que só eles amam o Acre e podem representa-lo.

Isso tem que acabar

É preciso se restabelecer a democracia e a diplomacia no Acre. É normal que os partidos disputem as vagas. O que não é normal é essa pancadaria insana. Apresentem propostas e mostrem que são melhores sem agressões, porque fica parecendo apelação. E só apela quem está em desvantagem ou não sabe jogar.

Deixem o povo decidir

Se Perpétua tem mais serviços prestados ao Acre, como diz a propaganda da FPA, então por que atacar com tanta ferocidade o Gladson? Ou será que estão chamando os eleitores que votam no Gladson de burros e inconscientes? Não seria melhorar mostrar o positivo e deixar o eleitor escolher livremente quem quer para o Senado?

Mensagem subliminar

Essa insistência em querer desqualificar o Gladson por ser rico tenta mostrar algo muito perigoso aos eleitores acreanos. Parece que querem dizer que só é possível vencer a FPA com muito dinheiro. “Eles são amados por todos”.

A realidade

Mas não foi isso que as eleições gerais de 2010 e, municipais de 2012 mostraram. As diferenças de votos entre a FPA e a oposição foram apertadas. A realidade é que o eleitorado do Acre está dividido. A lua de mel já acabou há muito tempo.

Favoritos evidentes

As mais recentes pesquisas eleitorais mostram que Tião Viana para o governo e, Gladson Cameli para o Senado são os favoritos. Quem quiser reverter esse quadro que trabalhe, apresente propostas e pare de atacar os adversários.

Mais um desabafo

Qualquer jornalista que questione os métodos de campanha da FPA imediatamente é rotulado de oposicionista. Mas isso não é verdade. Sou um cronista da política acreana. O que não aceito é ver hipocrisia e ataques desnecessários de todas as partes. Menos ainda essa intenção de destruir a reputação de pessoas que não dizem amém aos desejos do atual grupo político que governa o Acre. Sou um democrata e quem acompanha meu trabalho no rádio, TV e jornal sabe que tenho procurado ser o mais imparcial possível. Vejo muitos avanços realizados pela FPA, mas não concordo com essa linha de ação contra os seus adversários políticos. Deixem a democracia prevalecer e se vocês têm mais trabalho para mostrar a população vai reconhecer. Mas chega dessa insanidade e maniqueísmo de bem contra o mal. Na minha opinião quem é do bem não precisa atacar. Esse é o tipo de postura de quem gosta de fazer o mal aos outros.

Nelson Liano Jr.

Compartilhe

    

    Site desenvolvido por Agência Live Design

    Fones: (68) 3322-7302 / 9998-9802
    Responsável: Cleonildo R. do Nascimento

    REDES SOCIAIS