Cruzeiro do Sul - Acre, sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Publicado em 30 de outubro de 2014

A Dilma Rousseff do segundo mandato herdará uma série de problemas criados pela Dilma do primeiro mandato

camara dos deputados federaisO mercado vem dando voltas à espera do anúncio do sucessor de Guido Mantega no Ministério da Fazenda. No dia se­guinte à reeleição, o dólar subiu e a Bovespa despencou; o movimento se inverteu na terça-feira e, ontem, tanto a bolsa quanto a moeda norte-americana tiveram queda. Alguns nomes já circulam pela imprensa, e a definição deve sair na primeira quinzena de novembro, antes da reunião do G20. O cenário que aguar­da o novo ministro dará uma ideia bem mais real para uma expressão cunhada pelo ex-presidente Lula e que andava um tanto esquecida.

     Ao chegar à Presidência, em 2003, Lula passou a falar em “herança maldita” para tentar des­qualificar o governo de Fernando Henrique Cardoso no campo da economia — por mais que o petista mantivesse a política de seu ante­cessor. Certamente planejada por marqueteiros eleitorais de olho na reeleição de Lula, em 2006, essa expressão se destinava a criar um rótu­lo negativo, que deveria ser repetido à exaustão até fixar-se na mente da população para desconstruir o governo do responsável pelo Plano Real. Os rótulos, quando pegam, passam a ser repetidos como mantras, dispensando as pes­soas do árduo trabalho de estudar e analisar os temas a que se referem.

     Neste momento, em que Dilma Rousseff está re­eleita, não é fora de lugar dizer que ela e seu no­vo ministro terão de administrar uma verdadei­ra “herança maldita”, deixada por si mesma em vários campos nevrálgicos, entre os quais es­tá a economia. Nesta área, as heranças pesadas são o baixo crescimento do PIB, a inflação, o dé­ficit externo, o déficit público e a deterioração das empresas estatais. Afora o déficit externo — que tem relação com a situação internacional, sobretudo a queda nos preços dos produtos ex­portados pelo Brasil —, os outros problemas são obra da política econômica da própria Dilma.

     Quanto à estagnação do PIB, não é verdade que a culpa está na crise internacional, conforme a presidente repete exaustivamente. Alguns pa­íses vizinhos, que não têm economias mais fortes que a brasileira, irão crescer bem mais que o Brasil em 2014. Alguns exemplos são a Colômbia (4,8%), o Peru (3,6%) e o México (2,4%), enquanto o Brasil ficará com o PIB estag­nado em torno de 0,3% neste ano. E vale acres­centar que todos esses países terão inflação abaixo de 4%, enquanto o Brasil ameaça supe­rar o teto da meta, que é 6,5%.

     A inflação brasileira, cuja meta central é de 4,5%, é resultado das ações governamentais, es­pecialmente o descontrole nos gastos públicos, que levou ao fim do superávit primário e ao con­sequente aumento do déficit público nominal. Como agravante, a taxa de inflação está alta ape­sar de o governo ter represado os preços de ener­gia, dos combustíveis e das tarifas de transporte. Se tais preços estivessem atualizados, a inflação seria ainda maior. Além do mais, as medidas de represamento de preços, tomadas na tentativa de segurar a inflação, produziram o efeito colateral de deteriorar a situação financeira da Petrobras e das empresas do sistema energético, e essa é mais uma herança com a qual o governo terá de lidar e para a qual não há solução simplista e indolor.

     A herança econômica negativa dos quatro anos de Dilma é um problema a ser enfrentado pe­la própria presidente como imposição da realidade e, caso resolva ignorar a sua gravidade, o pa­ís verá a deterioração dos indicadores econômi­cos, o que acabará refletindo em aumento do desemprego e piora do quadro social. A fala da presidente Dilma de que, mesmo diante dos problemas, o Brasil tem taxa de desemprego relativa­mente baixa não terá vida longa, pois não é pos­sível manter indicadores econômicos ruins por muitos anos sem prejuízo social e sem elevação do desemprego.

     Espera-se que a presidente saia de sua conhecida posição de inflexibilidade e teimosia e seja capaz de ouvir e reconhecer os erros, como forma de recolocar o país no rumo da boa economia.

Antonio Viegas Malheiros

Compartilhe

    Deixe seu comentário

    Mensagem

    

    Site desenvolvido por Agência Live Design

    Fones: (68) 3322-7302 / 9998-9802
    Responsável: Cleonildo R. do Nascimento

    REDES SOCIAIS