Cruzeiro do Sul - Acre, terça-feira, 25 de setembro de 2018

Publicado em 19 de maio de 2016

Operação Fim da Linha: MP oferece denúncia contra 165 integrantes de facção criminosa

bonde dos 13Como resultado das investigações realizadas a partir de uma série de ataques ocorridos na cidade de Rio Branco em outubro de 2015, o Ministério Público do Estado do Acre, (MPAC), por meio do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ofereceu denúncia contra 165 pessoas integrantes da organização criminosa ‘Bonde dos Treze’, presos na operação ‘Fim da Linha’.

De acordo com o promotor de Justiça, Bernardo Fiterman, as investigações foram realizadas pela Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (Decco) e se iniciaram a partir de requisição do Gaeco, após os ataques realizados pela organização criminosa, que teve como alvo o incêndio de coletivos e outros veículos. Também foram registradas duas ocorrências de disparos de arma de fogo contra instituições públicas, uma delegacia e um quartel, e aterrorizaram a população acreana.

MP AC  bonde dos 13“Esse grupo está muito bem monitorado, e está aí o resultado, são 165 pessoas identificadas e sob investigação o número é bem maior. É importante destacar que a data de fundação do grupo coincide com o aniversário de um dos integrantes que hoje se encontra em presídio federal”, ressaltou o promotor de Justiça.

Fiterman destacou ainda que a organização criminosa foi criada no interior do presídio Francisco de Oliveira Conde, no dia 12 de junho de 2013, pelos presos mais antigos. O objetivo inicial era evitar o crescimento de outras organizações criminosas de âmbito nacional que haviam se instalado em nosso estado no ano de 2012.

O procurador de Justiça, Álvaro Pereira garantiu que as investigações não se encerram com a denúncia apresentada e que novas fases virão. “É natural que com a prisão de membros surjam novas lideranças que venham a ocupar esses vácuos”.

Pereira destacou ainda o apoio dado pela Procuradoria Geral ao Gaeco, para que seus membros possam atuar de forma efetiva. “É um novo tempo dentro do Ministério Público, em que há quase uma dedicação exclusiva dos membros do Gaeco no combate ao crime organizado”.

O conselho

A organização criminosa, desde a sua origem, é composta por um ‘Conselho’, que se constitui em órgão deliberativo. Posteriormente, com a entrada de novas pessoas, o funcionamento da organização foi mais bem estruturado e passou a contar com outros setores, tais como responsáveis por pavilhões, cidades e bairros, tesoureiros e demais integrantes.

Todavia, os ‘Conselheiros’ mantiveram seus poderes iniciais, quais sejam os de decidir sobre a entrada e exclusão de pessoas, monopólio sobre pontos de vendas de drogas, prática de crimes de roubos e homicídios.

Ao todo, vinte e uma pessoas foram denunciadas como conselheiros e ex-conselheiros da organização, sendo que as treze abaixo compõe o conselho atual.

O delegado da Decco, Getúlio Teixeira, comentou que os membros atuam dentro e fora do presídio de Rio Branco. “Dos treze que compõe a liderança da facção, doze estão no presídio e um encontra-se foragido”.

Texeira destacou ainda que a parceria da Polícia Civil com o Gaeco.  “Atualmente está sendo corriqueiro essas grandes operações envolvendo o combate a corrupção e as organizações criminosas, isso é graças é uma nova realidade na sociedade brasileira que é a integração da Polícia Civil com o Ministério Público.”

Números

Foram identificadas na denúncia de 592 páginas, 165 pessoas relacionadas com a facção sendo estas 21 conselheiros e ex-conselheiros, 38 responsáveis de bairros, cidades e pavilhões de presídios, 106 integrantes.

Segundo o promotor de Justiça Bernardo Fiterman, o Observatório de Análise Criminal do Núcleo de Apoio Técnico (NAT) do MPAC elaborou um estudo técnico e indicou que dos 165 (cento e sessenta e cinco) denunciados, 123 (cento e vinte e três) já tinham ingressado no sistema prisional, o que equivale a 74% (setenta e quatro por cento) do total. Os principais crimes praticados pelos indiciados nestes autos são o tráfico de drogas, roubo, homicídio e porte ilegal de arma de fogo.

 Ademais, os denunciados totalizam o número de 353 (trezentos e cinquenta e três) entradas no sistema prisional.

A denúncia foi assinada pela promotora de Justiça Marcela Cristina Ozório, Coordenadora do Gaeco e pelos promotores de Justiça integrantes do Gaeco, Bernardo Fiterman Albano, Fernando Régis Cembranel e Joana D’Arc Dias Martins.

Assessoria

Compartilhe

    

    Site desenvolvido por Agência Live Design

    Fones: (68) 3322-7302 / 9998-9802
    Responsável: Cleonildo R. do Nascimento

    REDES SOCIAIS