Cruzeiro do Sul - Acre, segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Publicado em 24 de novembro de 2011

Afegã é condenada a 12 anos de prisão por ter sido estuprada

Procurador geral disse que sexo entre a garota e o cunhado foi consensual

 

A afegã Gulnaz, de 21 anos, enfrentou um duro dilema recentemente. Ela precisou escolher entre permanecer na cadeia cumprindo uma pena de 12 anos por ter sido estuprada por um homem casado ou se unir ao agressor, o que lhe garantiria a liberdade. Pensando na filha de dois anos, que nasceu após o estupro, Gulnaz escolheu a segunda opção.

Conforme contou à rede CNN, a afegã foi violentada pelo cunhado quando tinha 19 anos. “Ele estava com roupas nojentas, porque trabalha na construção civil. Quando minha mãe saiu, ele foi até a minha casa e fechou as portas e as janelas. Eu comecei a gritar, mas ele me calou, tapando minha boca com as mãos”, descreveu Gulnaz.

A única forma de Gulnaz recuperar a honra é se casando com o estuprador

A garota preferiu não denunciar o agressor, com medo de represálias, mas poucas semanas depois descobriu que estava grávida e o segredo foi revelado à família. Gulnaz foi julgada por adultério e condenada a 12 anos de prisão, assim como o cunhado.

No Afeganistão, uma mulher somente recupera a honra e a liberdade após um estupro ou adultério caso se case com o criminoso. O casamento legitimaria Gulnaz e a filha na sociedade afegã, de acordo com a reportagem da CNN.

Nesta quarta-feira (23/11), porém, um tribunal de Cabul aceitou somente reduzir a pena de Gulnaz, de 12 para três anos, alegando que ela “demorou demais” para prestar queixa contra o cunhado. O porta-voz do procurador geral da capital afegã, Rahmatullah Nazari, disse à CNN que a investigação concluiu que o sexo foi consensual, por isso Gulnaz foi condenada por adultério.

 “Gulnaz alega que foi estuprada. Mas devido ao fato de que ela reportou o crime somente quatro meses depois, não conseguimos encontrar nenhuma evidência do ataque”, afirmou Nazari.

Fonte: UOL

Compartilhe

    Comentários:

    1. Carvalho disse:

      Ainda existem países com leis verdadeiras, uma mulher e um homem… sexo forçado! é ruim hein…

    2. maura disse:

      isso é um absurdo, que lei tem este país e eles nao pensaram no trauma desta mulher? mulher nao é objeto. para ser usada desta forma nao , submissa a esses homens nojentos.

    3. verdade disse:

      BOM SERIA SE ESSE MONSTRO,ESTRUPASSE A FILHA DESSE PRESIDENTE SI SIM,O Q SERA Q IRIA ACONTECER HEM

    4. gladstone disse:

      SO FALTAVA ESSA A MULHER É ESTRUPADA E AINDA É PRESA.E O HOMEM O QUE ACONTECEU COM O MONSTRO GRAÇAS A DEUS QUE MORAMOS EM UM PAIS LIVRE.UM PAIS DESSE É UMA VERGONHA.NAO VALORIZAO AS MULHERES A MULHER É UM BEM MUITO PRECIOSO PARA O HOMEM

    5. corno disse:

      que foi estrupada foi ela. ela que sofreu. e o filho duma egual fica souto. e ela e que e condenada. quem deveria pega 12 anos de prizão num e nem hum dos dois e esse filho duma egua desse presidente. seu vagabundo. criminoso seu nogento.

    6. corno disse:

      eu queria que estrupasem esse presidente. pra lhe se condenado a prizão perpétoa

    7. JB disse:

      Se fosse no Brasil esse cara viraria uma “moçinha”. Ele tem sorte de morar num país de FDP.

    8. marcos felício disse:

      Minha nossa senhora.. a moça foi estuprada e condenada no Afeganistão.. mas aqui neste sítio virtual quem foi violentada e estuprada pelos leitores foi a língua portuguesa… mobral neles!!

    9. marcos felício disse:

      mocinha com ç? ninguém merece .. volta pro mobral..

    10. Sebastiao Rodrigues disse:

      Falta amor no mundo. Amor ao próximo e que aqueles que julgam se coloquem na situação do julgado. Aí a coisa deve mudar de figura. Aposto que a estuprada é de origem pobre. Se fosse do Alto Escalão do Poder, nem aparecia….

    Deixe seu comentário

    Mensagem

    

    Site desenvolvido por Agência Live Design

    Fones: (68) 3322-7302 / 9998-9802
    Responsável: Cleonildo R. do Nascimento

    REDES SOCIAIS