Cruzeiro do Sul - Acre, quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Publicado em 1 de julho de 2013

Professores continuam em greve e acampam no Núcleo de Educação

greve professoresOs trabalhadores em educação de Cruzeiro do Sul, em reunião realizada hoje (01), no auditório do Núcleo de Educação do município, decidiram continar a greve deflagrada na semana passada. O encontro teve a participação do coordenador de Ensino da Secretaria de Estado de Educação (SEE), Josenir Calixto, que reiterou a negativa do governo em conceder aumento.

O representante do governo estadual, porém, informou que a SEE está atendendo algumas reivindicações, segundo ele,  históricas e que contemplaria quase 100% da categoria. “Estamos fazendo algumas progressões antecipadas e isso, como certeza, vai aumentar as remunerações”, assegurou Calixto, dizendo que continua “dialogando” com a classe.

O presidente do Núcleo do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Valdenínio Martins, por sua vez, reafirmou que o movimento paredista é legítimo e que “a base” não aceita reajustes apenas em maio de 2014. “Por conta disso, estamos enviando um representante para acompanhar as negociações na capital e vamos, a partir de hoje à tarde, acampar aqui no Núcleo de Educação”, anunciou o sindicalista.

 Os trabalhadores em educação reivindicam um aumento linear e integral de 15%, reformulação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR), equiparação salarial dos professores do quadro provisório com os professores do quadro efetivo, concurso para o provimento do quadro efetivo de professores e funcionários de escola, entre outros.

Reivindicações antigas

No início do ano, os sindicalistas ameaçaram uma paralisação em represália ao não pagamento da segunda parcela do Prêmio de Valorização dos Professores (VDP) e da segunda parcela do Prêmio de Valorização e Desempenho da Equipe Gestora (VDG), além do atraso no pagamento de salário dos trabalhadores das empresas terceirizadas.

Uma das questões consideradas mais injustas é a situação dos professores provisórios. Devido à rescisão contratual em todo final de ano, eles não recebem a segunda parcela do premio de valorização a partir de março. Sem contar também que recebem apenas 75% do que ganha uma professor do quadro efetivo.

Os sindicalistas querem, ainda, transformar a VDP em regência de classe; ampliar e aumentar o número de vagas para o curso pró-funcionário (atendendo aos municípios que ainda não foram contemplados); pagamento imediato das parcelas atrasadas da VDP para professores da zona rural e professores provisórios; a criação de uma política de investimento de formação continuada para professores e funcionários; a criação de uma comissão com representantes do sindicato, Secretaria de Educação e governo para discutirmos a problemática da saúde do trabalhador; e reposição salarial da inflação.

Tribuna do Juruá – Jorge Natal

Compartilhe

    Comentários:

    1. EU disse:

      VAMOS QUEBRAR TUDO TEM DINHEIRO SIM E VAI SOBRAR AINDA MAIS SE DEMITIR CENTENAS DE SANGUE -SUGAS DA ADMINISTRAÇÃO

    2. afffffff disse:

      Concordo plenamente tem dinheiro p gastar com mídia propaganda vai ter que aparecer para dar aumento e atender as reivindicações dos professores

    3. BIANKA LIMA disse:

      sou a favor dos professores pois o salario é pouco mais nao devemos esquecer das crianças pois seram os maiores prejudicados e ai é bom repensar pois o compromisso vai alem de um salario vai ate as crianças que estao dependendo dos professores para terminarem o ano com susseço e aprendizagem…..

    4. Mariana Ferreira disse:

      Quais são as escolas que continuam de greve ?

    Deixe seu comentário

    Mensagem

    

    Site desenvolvido por Agência Live Design

    Fones: (68) 3322-7302 / 9998-9802
    Responsável: Cleonildo R. do Nascimento

    REDES SOCIAIS