Cruzeiro do Sul - Acre, segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Publicado em 29 de maio de 2011

Bancário procura polícia depois de se sentir humilhado por militar do Exército

Antônio Cleudo Lopes dos Santos, 30 anos, afirma que trafegava em seu veículo na via pública em frente ao 61° BIS com a família dentro do carro, quando foi abordado de forma truculenta por um sargento que falava em voz alta e ameaçava detê-lo.

O funcionário público seguia para o trabalho logo pela manhã e além dos pais e da esposa, levava o filho de sete anos para a escola. Ele relata que ao passar em frente ao quartel recebeu um sinal de um solado que usava um cinto luminoso de trânsito e parou o veículo.

“De repente saiu um sargento gritando perguntando se eu não estava vendo o soldado, falou muitas coisas aos gritos, grosserias e ainda disse que poderia me prender. Foi humilhante, meu pai e minha mãe já idosos começaram a passar mal e o meu filho começou a chorar. Foi uma situação constrangedora que eu jamais tinha passado na minha vida. Fiquei até com medo que ele pudesse sacar a arma que carregava na cintura. Foi terror psicológico”, avalia o rapaz.

Os militares se posicionam na frente do batalhão para parar o trânsito enquanto seus militares saem do quartel para entrar na preferencial. A via é pública e é uma das mais movimentadas da cidade. Muitos motoristas têm reclamado principalmente em horários de pico, da intervenção dos militares com relação ao trânsito.

O bancário ainda procurou um oficial do exército que pediu desculpas e disse que a reação do militar poderia ser pelo desaparecimento de um sargento em um rio de Marechal Thaumaturgo. Não convencido, Cleudo procurou a delegacia de polícia para registrar uma queixa contra o militar identificado por sargento Andreo Silva de Oliveira, pelos constrangimentos que passou e por abuso de autoridade. Ele pretende entrar com uma ação na justiça contra o militar e contra o Exército.

Um oficial representando o Batalhão, considerou normal a atitude de seu subordinado. Na avaliação dele, o sargento não teve intenção de intimidar o condutor do veículo nem sua família, apenas tentou proteger o soldado, já que o carro ficou em movimento leve e imaginou que o motorista não tinha obedecido ao sinal.

No entendimento do oficiall, o que aconteceu foi um equívoco do condutor, que não estar acostumado com a forma como os militares se expressam. O coronel Rommel Franco comandante do Batalhão garante que os militares vão continuar controlando o trânsito em frente ao quartel para evitar acidentes, já que muitos motoristas não respeitam a área militar e trafegam em alta velocidade.

www.tribunadojurua.com – Informações de Francisco Rocha

Compartilhe

    Comentários:

    1. Augusto Junior disse:

      Esses calangos do exército se acham “os cara” só porque usam uma farda camuflada e falam “voceixxxx”. Respeitem o povo da cidade, pois vocês vivem aqui, dormem em casas que, apesar de serem do exército, estão no município de Cruzeiro do Sul. Ganham um absurdo para virem pra virem pra fronteira e ainda vem querer humilhar a população! Conheço o bancário Cleudo, estudamos juntos na Dom Henrique Rüth, uma pessoa ótima, por onde trabalhou sempre foi elogiado, calmo, sem ser alterado.

    2. alisson disse:

      vc nao sabe oque esta falando ja fui militar e os condutores nao respeita a aria do batalhao??viu augusto junior

    3. antonio disse:

      Existe sim abuso, eles se acham os caras, teriam que respeitar o povo de czs como cidadaos q tabm tem seus direitos.

    4. O Analista disse:

      “a aria” fora do muro não é do batalhão!
      não sei porque daquela frescura ali na frente do batalhão, se qualquer hora que passar estão todos sentados, sem utilidade nenhuma!

    5. Junior disse:

      ta na hora de arranjar alguma coisa realmente útil p esse batalhao(fortalecimento REAL das fronteiras,rígidas açoes contra o trafico de drogas(que em CZS é totalmente escancarado),controle do trafico pelo rio jurua,etc…)chega de bossalidade!!pra que serve um soldado?pra cortar capim ao redor do batalhao?pra passear la no Moa?bossais(nem todos)eles deveriam ter respeito e tratar com cordialidade e dignidade quem paga o salario deles…

    6. Selva disse:

      Vcs de Czs deveriam agradecer de ter um batalhão na cidade de vcs, já servi ai e parava o transito sim, pq a maioria de vcs são bando de mal educados, e pro companheiro ai que falou que área militar é só do muro pra dentro, ninguem tem culpa se na calçada e aos redores da sua casa vc não manda, essa poha mesmo, quem manda ai somos nós que usamos camuflados.

    7. to injuriada disse:

      Coitados dos camuflados..pensam que por isso sao deuses..e que podem tudo..abuso de poder ou de farda e crime este local deveria ser bem longe da cidade…e na hora da corrida matinal deles deveriam ir em direçao ao igarape preto,la nao tem tanto transito ficam desfilando nas ruas mais movimentadas atrapalhando se exibindo …vao se enchegar e respeitar os cruzeirences..voces educatinhos 5 estrelas que veem dos moro do Rio janeiro ou outro…

    8. railton disse:

      vai la da uma de maluco seu babaca analfabeto

    9. railton disse:

      Junior, fique sabendo que exercito é pra defender o brasil, nao prender traficante, pra isso tem a policia.

    10. militar disse:

      coitadinha além de n conhecer nada de trânsito, é analfabeta, que não soube nem escrever a palavra coitadinhos arrego hemm…..

    Deixe seu comentário

    Mensagem

    

    Site desenvolvido por Agência Live Design

    Fones: (68) 3322-7302 / 9998-9802
    Responsável: Cleonildo R. do Nascimento

    REDES SOCIAIS