Cruzeiro do Sul - Acre, sábado, 17 de novembro de 2018

Publicado em 17 de agosto de 2011

Sertanista reprova operações policiais na fronteira com o Peru

POR JOSÉ CARLOS DOS REIS MEIRELLES Direto da Frente de Proteção Etnoambiental Xinane, na fronteira Brasil-Peru.

Senhores,

Em toda a minha vida profissional de 40 anos de trabalho com os índios, isolados ou não, sempre soube a hora de calar, de respeitar hierarquia.

Soube também protestar a meu modo, quando necessário, a meu modo, jeito e responsabilidade. Pois agora é a hora de gritar, e alto! Embora isso signifique, como já aconteceu quando fui demitido da Funai, na criação da SBI que protestava contra o regime militar da época, a favor dos índios.

Lá vou eu, depois de velho, de novo.

A Frente Etnoambiental do Rio Envira, no Acre, como todos sabem, foi tomada por uma força paramilitar estrangeira, composta de traficantes e provavelmente acompanhados de índios recém contatados do Peru.

A Polícia Federal veio à nossa base, pensava eu, de acordo com plano que junto com ela fizemos em Rio Branco, de duas equipes, uma acima da base e outra abaixo, pousadas de helicóptero a distancia não audível dos invasores da base, que viriam por terra, na esperança de prendê-los.

O plano não foi executado. Sobrevoaram a base antes disso, de helicóptero, espantaram os caras. Uma equipe pousou na Aldeia Simpatia e subiu o rio. Foi resgatada antes de chegar na base. Outra pousou na base.

Nossos mateiros seguiram um rastro e entregaram o Sr. Joaquim Fadista, português que anteriormente foi preso aqui mesmo e deportado para o Peru, apesar se ser procurado por tráfico internacional de drogas, inclusive no Brasil. Voltou e foi preso de novo.

Satisfeita, a Polícia Federal abandonou a base, como se a missão estivesse toda realizada. Uma pequena equipe, Sr. Carlos Travassos, coordenador da CGIIRC/FUNAI, Artur Meirelles coordenador da Frente, Francisco de Assis (Chicão, mateiro), Francisco Alves de Castro ( Marreta, mateiro) e  José Carlos Meirelles ( Governo do Estado do Acre), por decisão unânime, resolveram vir para a base, que era de novo abandonada.

A Polícia Federal lacrou a base. No outro dia que chegamos estava tudo arrombado de novo. Os peruanos continuavam aqui. Vimos vestígios de menos de 15 minutos.

Veio de Rio Branco o Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do Acre. Foram feitas pequenas incursões. Encontramos acampamentos, mochila dos peruanos com pedaço de flecha dos isolados dentro. O Bope vai e vem a Força Nacional, sem ordem de se afastar a 500 metros da base.

Nestes dias de Força Nacional, sempre se escuta tiros em locais próximos à base, à noite, com características de arma de bala e não de cartucho.

Esta noite mesmo, foram ouvidos três disparos, de um lado e de outro do rio. A Força Nacional está esperando o Exército, que deveria aqui chegar no dia seguinte à invasão da Base, ocorrida há quase um mês.

E ninguém ainda se dispô a bater realmente estas matas e desvendar o que realmente estas pessoas, que continuam aqui, fazem e querem. Não temos acesso ao depoimento do português. Parece que é propriedade da Polícia Federal.

Há tempos, desde 2007, temos alertado sobre a exploração ilegal de madeira, do outro lado da fronteira, em reserva de isolados no Peru, a reserva Murunahua.

Agora, tudo leva crer que além de madeireiros, temos traficantes de drogas. E pelo andar da carruagem, como se diz aqui pelas matas, parece que estão botando roçados. Ou seja, não tem a mínima intenção de ir embora. Afinal, ninguém os perturba. Nós da Funai, do governo do Acre e os mateiros, que ganharam um presente da Funai: foram dispensados, mas estão aqui por opção. O risco é por nossa conta, somos pagos ou não pra isso.

Os índios isolados da região, verdadeiros donos desse pedaço de Amazônia, não tem nada com isso. E serão eles, com certeza, mais uma vez que pagarão o maior preço pela invasão de suas terras por um grupo  de traficantes e sabe-se lá mais que personagens.

Não dá mais pra esperar calado. Não vou mandar abraço pra ninguém. Meu coração está apertado. Quando sinto essa sensação, dificilmente erro.

POR JOSÉ CARLOS DOS REIS MEIRELLES – Direto da Frente de Proteção Etnoambiental Xinane, na fronteira Brasil-Peru

Fonte – altino.blogspot.com

Compartilhe

    Comentários:

    1. isso ai!! disse:

      c…. bixo!! cader o exercito?? e f…..!!! vão esperar alguem morrer para fazer algo??? comandante do exercito faça algo antes que aconteça algo pior com essas pessoas!!! e f…….!!

    2. Cauê disse:

      Esse caso é de defesa nacional, segurança pública não tem nada haver, é o exército que tem que ir no local, se a polícia for lá, até a federal com pistolas vai é levar chumbo, isso é defesa de fronteira e não tráfico de drogas. Cadê o exército brasileiro ?? Pra que serve 800 homens aquartelados ??

    3. Eu disse:

      Há! O exército está com os seus soldados correndo pelas as ruas da City.

    4. PICARETA disse:

      o execito tem medo coisa que e deles que vai e policia militar e força nacional , fronteira e com bis , cd esses cara do bis, querem ser fodão , e nessa hora q quero ver com peruanos, cd esse bis, que aqui em czs , nã vaz nada fica organizando corrida q não e area deles ele tem que esta e na fronteira, corre lá ajuda i meireles q já e um velho cansado de luta por esses indio ajuda ele bis, essa ai e de vcs caras sai do quartel vaz alguma coisa, isso na e coisa de força nacional não e policia militar agoara sera que niguem vaz seu papel. nesse brasil????

    Deixe seu comentário

    Mensagem

    

    Site desenvolvido por Agência Live Design

    Fones: (68) 3322-7302 / 9998-9802
    Responsável: Cleonildo R. do Nascimento

    REDES SOCIAIS